Porque há vida para além da paisagem... para além da rotina diária, do mundo das notícias e do ecrã. Reflexões daqui, dali de acolá ... e de cá de dentro, que é onde a nossa paisagem se molda e gera paz.

segunda-feira, 15 de maio de 2017

Salvadora-me





Pronto, já ninguém tem paciência para ler mais comentários ou opiniões sobre Salvador Sobral, a canção, a irmã Luísa e a vitória de Portugal na Eurovisão.
Quero só partilhar este imenso ensinamento que recebi deste jovem, sobre o qual já pesquisei e li tudo, que já defendi com unhas e dentes, desde a primeira vez que ouvi e percebi porque se estava a falar tanto disto, da música, da melodia, numa associação directa à simplicidade e genuinidade da composição e do seu intérprete.
Esta mensagem que nos fica do Salvador, é a de que não precisamos de artifício (não estou a falar do fogo de artifício do festival!) na nossa vida para sermos felizes. 
Que não precisamos de máscaras, capas ou que seja. 
Que tudo fica mais simples, e, por isso, mais fácil, mais suportável.
Que linda mensagem esta de alguém tão genuíno, que descobriu o que gosta da vida e o que não gosta. 
Que não atropela, mas não deixa de expressar a sua opinião.
Que aceita que ninguém é perfeito mas também não precisa de ser.
Que ama loucamente, a única forma de amar.
Que celebra o amor, na sua essência e simplicidade, como a coisa mais fácil de fazer na vida.
Que sabe que devemos sempre ser crianças.
Que acredita que a chuva pode ser bonita...
Que linda mensagem me fica.
É desta esperança que os olhos de Salvador reflectem, que precisamos nos inunde a alma.
Por isso.
Por tudo.
Mas sobretudo por isso, e por esse exemplo para os meus filhos, obrigada Salvador!